terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Lampião - o rei do cangaço

     Não há brasileiro que não tenha ouvido falar sobre ele. Virgulino Ferreira da Silva, nasceu em 1900, em Pernambuco. Viu os pais serem assassinados, fugiu para o sertão e juntou-se a um bando de cangaceiros.

     A palavra "cangaço" vem da peça de madeira utilizada no pescoço do boi, para transporte. Como eles eram nômades e tinham que carregar muita carga, daí o nome.

     Eles próprios costuravam suas roupas, na maioria feitas de couro, com mangas compridas e com muitos enfeites de fitas e pedaços de metal. Usavam também luvas de couro com moedas e pedaços de metal costuradas sobre elas, uma espécie de armadura. Por causa do calor que faz na região e da escassez de água, era comum o uso de perfumes. Lampião, muito vaidoso, usava grandes quantidades de perfume francês que roubava das casas ricas.

     Mas, o que mais chamava a atenção, sem dúvida, era o fato de serem extremamente sanguinários com seus inimigos, recorrendo a torturas, estupros e execuções. Lampião era casado com Maria Bonita com quem atuava na caatinga, da Bahia ao Ceará.

     Existiam 3 grupos de cangaceiros:
  •  Os defensivos, que defendiam os interesses dos latifundiários do ataque às suas terras, especialmente de ataques indígenas.
  •  Os políticos que defendiam as fazendas da região e recebiam a proteção das autoridades locais.
  • Os independentes, que eram os mais temidos já que espalhavam terror, roubando, estuprando e matando pessoas comuns da população. A esse grupo pertencia Lampião e o seu bando. Esse era o bando mais temido do Nordeste.

  Com o declínio do poder dos coronéis, como eram conhecidos os latifundiários da época, também houve a extinção dos cangaceiros.

     Lampião e Maria Bonita e outros do bando foram mortos numa emboscada em 1938. Todos eles tiveram suas cabeças decepadas e expostas ao público para  desestimular a prática do cangaço.

     De modo geral, não era verdade que os cangaceiros tirassem dos ricos para dar aos pobres. Porque será que alguns os consideram como heróis? Talvez porque foi a única maneira, na época, de pessoas de origens humildes se fazerem respeitar ou serem temidos. Ou talvez seja por causa da própria vida de aventuras que levavam, que incluía muitos casos amorosos. 


 Exposição pública das cabeças de Lampião, Maria Bonita e seu bando, em 1938

Nenhum comentário:

Postar um comentário